terça-feira, 9 de agosto de 2016

Paul Pogba versus O que é ser Juventus


Aparentemente essa é minha estreia como blogueiro oficial do Juventus Brasil, já que meus outros textos foram todos como convidados. A medida que os jogos forem retornando, meus posts por aqui devem aumentar significativamente.

Meu último texto (ainda como convidado) foi postado quanto confirmamos o quinto scudetto consecutivo, como os jogos pararam, resolvi me abster de escrever porque o aspecto de uma crônica se perde com os sentimentos que uma pré-temporada gera. Só observar a mudança de tom dos torcedores com a especulação de Pogba e a saída de Pogba. Eu fui um dos que ficou chateado com a transferência, mas nada haver com as opções de Pogba em sua carreira, apenas dois motivos: o dinheiro do Pogba serve apenas para amenizar a chegada de Higuaín e por termos que readaptar o estilo de jogo da equipe, já que não existe ninguém capaz em nosso elenco para realizar o que Pogba realizava no centro-esquerdo do meio-campo bianconero.

Contudo não estou aqui para falar sobre Pogba, estou aqui para reforçar o tamanho da Juventus e dizer que Pogba não é ninguém perto da Juventus e de qualquer ídolo da Juventus. E devo dizer que após essas semanas, Padoín é muito mais ídolo da Juventus do que o francês. Mas por que eu quero reforçar o tamanho da Juventus para os torcedores da Juventus? Muitos de nós começamos a torcer por um time europeu por motivos mais simplórios como acompanhar um jogador, as cores do uniforme ou por causa de uma boa temporada.

Eu adotei a Juventus por causa de Gianluigi Buffon, quando era mais novo, jogava futebol como goleiro e obviamente o nosso arqueiro era um dos meus espelhos e por sua causa, comecei a acompanhar a Juventus pré-Calciopoli. Aos poucos o que nutria pelo jogador foi aumentando a medida que conhecia mais a história da Juventus e foi até reforçado com toda a injustiça de 2006, o que era motivo para acompanhar um jogador, se tornou o motivo por si só. Porém, ao longo desses mais de 10 anos como juventino, uma coisa que nunca deixei de defender foi a instituição, o clube. Acredito piamente que em um clube de futebol jogadores vem e vão, mas a torcida é quem fica.

São os torcedores que aguentam o fardo de uma péssima temporada, a seca de títulos ou até mesmo uma Série B injusta. E se tem um clube que entende que o mais importante de tudo é a instituição, o time de futebol,  é a nossa Velha Senhora. Os valores desejados por aqui são diferentes de qualquer lugar do mundo, já que não tiveram pudor nenhum em abrir as portas para o maior jogador da equipe, Alessandro Del Piero e acreditem, se Buffon ainda não fosse esse goleiro longevo e eterno, teria seguido os mesmos passos de D10s Piero.

Precisava ter vendido Paul Pogba por "apenas" 105 milhões? Não precisava. Precisava ter deixado Del Piero sair de maneira injusta? Não precisava. Precisava ter gastado quase 140 milhões de euros só para demonstrar poder perante a Serie A Italiana? Não precisava.

Mas tudo isso é feito com um único objetivo em mente, não importa quem está chegando e quem está saindo, o que existe é a necessidade de contar com jogadores que querem vencer, que querem se tornar vencedores, que querem ser implantados com a mentalidade absoluta de vitória a todos os custos. Como dizia o lendário Boniperti: "Vincere non è importante: è la sola cosa che conti". Traduzindo: "Vencer não é importante: é a única coisa que importa".

Essa é uma frase que carrega muito do simbolismo do que a Juventus representa no futebol mundial, pois até Sir Alex Ferguson já falou a respeito desse desejo irrefreável da Juventus pela vitória e que utilizava isso como exemplo para seus jogadores. Não importava o técnico, não importava os jogadores, não importava o adversário, não importava a competição, o desejo pela vitória era sempre o mesmo.

Recentemente outro treinador falou a respeito disso, Slaven Bilic, do West Ham nos dias que antecederam o confronto entre as duas equipes. As palavras de Bilic, foram assim: "A Velha Senhora é um dos maiores clubes europeus, eles são mais que um clube se você preferir. Eu gosto muito de usá-la quando quero ilustrar um ponto quando falo com jogadores, comissão e amigos. "Sim", eu digo, "Futebol é um esporte mas na Juventus é um esporte para homens.". É profissional, sério e ninguém é maior que o clube. Eles tiveram grandes jogadores ao longo da sua história, tais quais Michel Platini, Liam Brady, Roberto Baggio, Zinedine Zidane e Alessandro Del Piero. Mas é sempre a Juventus em primeiro lugar e depois as pessoas, o que é sensacional e é assim que deve ser".

As palavras do treinador croata já são o suficiente. Superamos Platini, Baggio, Zidane, Nedved e infelizmente, até Del Piero. Quem é Pogba perto desses jogadores? Desejo toda a sorte do mundo para o nosso ex-meio-campista, mas como diria Lilian Thuram:"Eles são fortes, mas nós somos Juve!".

Nenhum comentário:

Postar um comentário